Self-Service BI. O poder para o usuário de negócio.

Segundo o Gartner, “self-service business intelligence” é o conceito de que o usuário não técnico possa criar e implantar suas próprias análises apoiado na estruturação de uma arquitetura corporativa e de ferramentas que entreguem autonomia na concepção e modelagem para a implementação de relatórios e dashboards.

Durante anos empresas criaram modelos BI a partir de ambientes centralizados e altamente complexos. Porém, nos últimos tempos, novas ferramentas voltadas para usuários de negócio foram desenvolvidas e possibilitaram a eles criar e manipular informação de forma simples e rápida. É enfim tornado realidade o desejo dos gestores, que há muito pediam por mais autonomia e velocidade para gerar e consumir os dados corporativos.

Em 2010, a Microsoft lançou a primeira versão da ferramenta PowerPivot, um suplemento do Excel que permite a extração de diferentes e massivas fontes de dados, que geram modelos de BI a partir de uma linguagem simples e intuitiva.

O PowerPivot, em sua versão mais recente, permite relacionar diferentes fontes de dados através de diagramas e funções. A solução utiliza o processador de dados VertiPaq, que carrega dados em grande escala na memória e garante:

  • velocidade;
  • volume;
  • flexibilidade;
  • tratamento da informação;
  • consumo da informação.

Recentemente a Microsoft evoluiu as ferramentas self-service BI com a “família Power” e lançou as ferramentas: PowerView, PowerQuery e PowerMap.

Apesar de todo o potencial proporcionado pelas tecnologias, é preciso planejar a adoção dessas soluções, bem como gerenciar as informações que estão sendo consumidas pelas áreas de negócio. Algumas dicas e boas práticas recomendadas referem-se, principalmente, ao planejamento e à governança da informação, que diferenciam claramente as informações corporativas e departamentais/pessoais geradas por TI e “power users”. Treinamentos para usuários de negócio também são práticas aconselhadas para aliar conhecimento do negócio e técnico.

Os ganhos no uso do self-service BI são evidentes e mercado oferece uma ampla gama de soluções. No entanto, as necessidades de cada empresa é que direcionarão a solução e as questões como segurança, integridade e disponibilização da informação, que devem ser cuidadosamente analisadas.

Em suma, é preciso planejar a adoção de soluções self-service, assim como implantar processos de utilização e governança consistentes. Porque a competitividade de sua organização no futuro depende da definição dessas políticas hoje.

Leia mais sobre:
Post anterior
Centro de confiabilidade do Microsoft Azure. Segurança na nuvem para aplicações e dados corporativos.
Próximo post
SQL Server 2014 – In-Memory Database

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu