Pensando em implementar o Teams? Aqui vão três dicas para você

Segundo o Diretor Executivo da Infobase e coordenador do MBA em Marketing e Inteligência de Negócios Digitais da FGV, André Miceli, o home office deve crescer 30% no Brasil após a pandemia. Isso não só significa que o trabalho remoto continuará como realidade nacional, como também implica que as ferramentas digitais são imprescindíveis para manter a colaboração e produtividade das equipes. O Microsoft Teams é ideal para o cenário. Nós reunimos três dicas para você que está começando a utilizar, ou pensando em adotar, a ferramenta:

Coloque os usuários no assento do motorista para impulsionar a alfabetização digital

Usuários que ainda estão presos a mentalidades fixas e antigos comportamentos de trabalho precisam de suporte para evoluir em novas formas de pensar e colaborar. Caso contrário, eles continuarão a trabalhar da maneira que sempre fizeram, apenas com uma nova ferramenta. Como o Teams é um agregador incrível de conversas e conteúdo, no contexto certo, ele garante que cada usuário possa acessar e colaborar com o que é importante e relevante para ele.

O Microsoft 365 coloca seus usuários de volta no banco do motorista, mudando sua direção de trabalho do “to push” para o “to pull”. Isso leva a mais reflexão, mais consciência e mais autonomia, trazendo o melhor das pessoas: criatividade e pensamento crítico.

Uma implantação do Microsoft 365 é um bom incentivo para impulsionar uma iniciativa de alfabetização digital e transformar a empresa em uma organização que aprende constantemente. Então, na verdade, a transformação digital é o objetivo e o lançamento do Teams é uma peça do quebra-cabeças para alcançar este objetivo.

Tenha uma mentalidade experimental

Fundamentalmente, especialmente em TI, quando uma nova tecnologia surge, a primeira inclinação das pessoas é desligar tudo. “Não entendemos”, “Temos preocupações com a segurança” ou “Temos problemas de governança que achamos que podem se aplicar aqui… nós realmente não sabemos ainda, mas vamos desligar.” O primeiro passo é permitir que as pessoas usem a nova ferramenta.

Observe e esteja ciente de que você está em uma fase experimental. Veja os padrões do que as pessoas fazem. Só assim você pode ver o que sua governança deve ser, porque coisas como o Teams são uma maneira diferente de trabalhar. Você não sabe como ele vai afetar sua organização até que você deixe as pessoas tentarem.

A cultura de cada organização é diferente, então em alguns lugares você pode ativar o Teams e as pessoas podem apenas olhar para ele e dizer “Para que nós vamos usar isso? Nós não nos comunicamos dessa forma.” e em outros lugares as pessoas podem ir à loucura. Você precisa ver como sua organização reage antes de tomar decisões e você não pode tomar essas decisões a menos que você a deixe usar primeiro. Então, o mais importante? Não desligue!

Entenda que recursos de autoatendimento são parte integral do Teams

O aspecto de self-service, ou autoatendimento, do Teams é quase que o aspecto principal. Ou um dos pontos principais, pelo menos. Você pode nomear cenários específicos onde gostaria de excluir grupos limitados de pessoas deste privilégio, se isso for realmente importante para você. Por exemplo, se você tem contratados de meio período ou voluntários entrando e saindo com frequência. Mas esses casos são raros, e no geral, nosso posicionamento é que seu típico trabalhador empregado em tempo integral deve ser capaz criar equipes livremente, associar-se a outros de sua escolha e colaborar à vontade. Essa personalização quase ilimitada que o Teams oferece é fundamental para que o usuário atinja o potencial máximo da ferramenta. Só assim o ambiente coorporativo consegue se conectar e criar um fluxo constante de comunicação.

Dica extra: webinar gratuito

No dia 27 de agosto, na próxima quinta-feira, às 14hrs, a Niteo oferecerá um webinar de uma hora gratuitamente. Falaremos sobre a variedade de recursos do Teams, daremos dicas e truques para você dominar a ferramenta. Para confirmar sua presença, clique aqui.


O Teams é um recurso poderoso. Para conhecer o que ele é capaz de fazer pelo seu negócio, nossas dicas se resumem a: experimente, observe o comportamento de consumo dos usuários e permita que estes tenham autonomia no uso dos recursos.

*Este artigo foi traduzido e adaptado do texto “Win as a Team – Insights from the Microsoft expert community on how to empower users and leverage Teams to its full potential.”

Leia mais sobre:
Post anterior
Os projetos Niteo
Próximo post
Niteo se une ao Google Cloud Partner Advantage Program

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu