SQL Server

SQL Server 2014 – In-Memory Database

Novas perspectivas, nova arquitetura, novos paradigmas − é o que está acontecendo com o mercado de bancos de dados. Esses novos padrões trazem a habilidade de ter a base executada na memória principal, com apoio de múltiplos CPUs many-core. Com o codinome Hekaton, a Microsoft desenvolveu e incluiu tais características no SQL Server 2014, sua mais recente versão da plataforma de dados.

A maioria dos bancos de dados foram originalmente concebidos em um momento em que a memória principal dos servidores representavam um custo relativamente alto. Esse é o motivo porque os dados precisavam ser persistidos em discos, exceto quando realmente necessário, para o processamento de aplicações críticas.

Essa realidade mudou. Nos últimos anos houve acentuada redução do preço de memórias ao mesmo tempo em que servidores multi-core tornaram-se acessíveis, de modo que hoje é possível comprar um servidor com 32 núcleos e 1 TB de memória por menos de US$ 50 mil − isso sem considerar a possibilidade de seu uso na nuvem, onde a oferta é praticamente instantânea e o preço ainda mais diluído.

Uma vez que muitos, se não a maioria, dos bancos de dados OLTP (OnLine Transaction Processing) em produção podem ser armazenados em 1 TB, cai o paradigma de armazenamento de dados em disco e as consequentes limitações de I/O. Ainda por cima, a necessidade de os dados serem lidos (ou escritos/atualizados) e processados para a memória desaparece, o que nos traz nova perspectiva e realidade.

Tabelas e store procedures baseadas em memória são armazenadas de forma completamente diferente se comparado com as tabelas armazenadas em disco. Esta nova estrutura permite que dados sejam acessados e processados de forma mais eficiente, com mais desempenho e flexibilidade.

O SQL Server 2014 – OLTP in-memory traz ganhos reais de desempenho e escalabilidade significativos que dependem de muitos fatores, podendo atingir melhorias de 5 à 30 vezes. Estes são alguns dos aspectos que impulsionam as vantagens:

  • algoritmos otimizados para acessar dados residentes em memória;
  • controle de simultaneidade otimista que elimina bloqueios lógicos;
  • os objetos livres de bloqueio para acessar todos os dados. Os threads que executam trabalho transacional não usam bloqueios ou travas para controle de simultaneidade;
  • os procedimentos armazenados compilados nativamente resultam na redução das ordens de grandeza no caminho do código do mecanismo.

Com o SQL Server 2014 instalado, recomenda-se o AMR (Analysis, Migration and Reporting), ferramenta para análise de bases de dados responsável por fornecer recomendações referentes às tabelas e procedures que devem ser consideradas para  migração OLTP in-memory.

Principais melhorias da nova versão do SQL Server:

  1. OLTP in-memory
  2. Performance (columnstore index)
  3. Segurança
  4. Alta disponibilidade com Alway On
  5. Nuvem para cenários híbridos (Windows Azure)
Veja mais informações em:
Leia mais sobre:
Post anterior
Self-Service BI. O poder para o usuário de negócio.
Próximo post
O poder do Microsoft SharePoint Server 2013 e os principais requisitos para migrar de versões anteriores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu